Finalmente, eu vi | Procurando Dory

procurando dory banner

Eu me lembro como se fosse ontem o dia em que assisti Procurando Nemo no cinema. Eu tinha nove anos, o cinema perto da minha casa ainda existia e o ingresso eram saudosos quatro reais. Procurando Nemo foi uma grande sensação para os que dividiam a infância comigo em 2003. Imaginem o que Elsa & Anna em Frozen causaram 2014. Nesse nível, mas sem músicas. Por isso, quando a Disney anunciou que teríamos uma continuação para esse clássico da animação, contamos os dias como se fosse a coisa mais incrível que poderia nos acontecer. A mais incrível pode até não ter sido, mas definitivamente entra nos melhores dez momentos, não acha? 😉

067000

Em Procurando Dory, nós voltamos ao recife em que Marlin, Nemo e Dory começaram a sua jornada para saber como está essa família um ano após o resgate do peixinho com a nadadeira da sorte. Tudo parece estar bem até que Dory começa a se lembrar de sua família e decide que precisa encontrá-los. Os três embarcam numa nova viagem para o outro ldo do oceano em busca do passado e da origem de Dory. A partir do momento em que descobrem de onde Dory veio, nós conhecemos novos personagens que ajudarão a turma a reencontrar sua família.

Assistir ao filme é uma ambiguidade: ao mesmo tempo em que você está mergulhada num clima nostálgico em que você é uma criança de novo, você está assistindo a uma nova aventura que mesmo com personagens já conhecidos nos apresentam a uma história completamente diferente. Na época em que o primeiro filme foi lançado, muitos o consideraram como a animação mais bonita da Pixar (e permaneceu com o posto por bastante tempo). Procurando Dory sustenta o legado e se prova uma animação de alt qualidade, com as melhorias que as tecnologias acarretaram durante os anos que separam as histórias sem perder a identidade do desenho.

A trama arranca risadas, suspiros (especialmente com o show de fofura que a Dory bebê dá a plateia) e, se você se deixar levar (é claro que vai), até lágrimas. O enredo não tem nada de genial (como Divertidamente) ou super original, já abusa de tramas bem conhecidas no cinema de Hollywood. Entretanto, Procurando Dory soube usar as táticas clichês e transformar-se em um filme bonito, encantador e viciante.

baby-dory

A maior sacada dos criadores da história foi, para mim, a maior interação com as pessoas. O destino que a jornada de Dory, Marlin e Nemo tem os deixa mais próximos aos seres humanos de uma forma que não foi explorada no primeiro filme. Além disso, outro ponto que preciso destacar é sobre a dublagem. Com exceção de Nemo, as vozes do original foram mantidas e isso levou a nostalgia a níveis estratosféricos. Ainda preciso assistir o filme em inglês para ouvir a dublagem da Ellen Degeneres que mais uma vez deu voz a Dory.

Sobre os personagens antagonistas, muito se falou de Geraldo, o leão marinho aparentemente boboca. Sim, ele arranca boas risadas, mas não achei grande coisa. Preferi o companheirismo de Hank, o polvo determinado a ir a Cleveland, e a amizade e  ajuda de Destiny, a tubarão-baleia quase cega. Alguns antagonistas do filme passado dão as caras para nós matarmos as saudades, mas deixo como surpresa quais deles caso você ainda não tenha visto o filme.

procurandodory_15-750x380

Procurando Dory é um filme para aquecer os corações de pedra dos adultos estressados que hoje são aquelas crianças que sofreram com Marlin para achar Nemo e continuaram a nadar com a Dory falando baleiês. Não vejo nessa continuação um filme que marcará a nova geração como Frozen, mas nem de longe não seria uma fonte de diversão tão boa quanto. Afinal… “Oi, pois não?”

procurando-dory-poster-nacional-oficial-disney

Ficha Técnica:

Título: Procurando Dory | Diretor: Andrew Stanton | Elenco principal: Ellen Degeneres, Diane Keaton, Ed O’Neill e Eugene Levy  | Ano: 2016 | Classificação: 5 estrelas | Adicionar ao: FilmowLetterboxd

Siga o blog nas redes sociais:

Facebook ♦ Twitter ♦ Instagram ♦ Tumblr ♦ Skoob Goodreads ♦ Filmow