O Segredo de Brokeback Mountain: o livro e o filme.

Conheci a história dos dois cowboys do Oeste dos Estados Unidos pouco antes da morte de um de seus protagonistas, Heath Ledger. A história me impactou bastante e O Segredo de Brokeback Mountain se tornou um dos filmes que guardei na gaveta da memória intitulada Filmes Incríveis. Dez anos se passaram e somente agora, eu descobri que aquele filme foi baseado em uma obra literária. Annie Proulx já tinha o prêmio Pulitzer de ficção quando lançou O Segredo de Brokeback Mountain na coletânea de contos Close Range.

 A história de Jack Twist e Ennis Del Mar começa na montanha Brokeback, quando os dois são contratados para tomar conta de um rebanho de mil ovelhas durante o inverno. Dali se inicia uma complicada, mas pé no chão, história de amor que perdura por quase vinte anos entre 1963 a 1981.

IMG_3004

O fato dessa história ser baseada em um conto – quase uma novela – me impressionou muito. Resumir os vinte anos de relacionamento em pouco menos de cem páginas de um livro de 19,5×13 cm me parecia uma tarefa impossível, mas, abrindo mão de grandes explorações sobre os outros personagens e usando artifícios como lembranças para descrever passagens de tempo nas quais os dois ficaram separados, Proulx conseguiu uma obra incrível e fiel às personalidades dos seus protagonistas. Estas conseguiram se mostrar bem explicitamente mesmo com as poucas páginas e o largo passar do tempo.

Em geral, foi um conto que gostei bastante. A escrita de Annie Proulx é bem direta, a ideia do conto é muito original e necessária para debate e inserção nas nossas vidas e o processo de leitura é muito tranquilo – li em duas viagens de ônibus de meia hora cada. Recomendo muito!

Ficha Técnica:

Título: O Segredo de Brokeback Mountain | Autora: Annie Proulx | Tradução: Adalgisa Campos da Silva | Páginas: 72 | Editora: Intrínseca| ISBN-13: 9788598078083 | ISBN-10: 8598078085 | Ano: 1997 | Adicione ao: SkoobGoodreads

Sobre o filme:

o-segredo-de-brokeback-mountain02

Como já disse, o filme foi meu primeiro contato com a história da Jack e Ennis. Na época em que assisti, não tinha muita paciência para filmes mais monótonos – porque as chances do interior dos EUA serem parados na década de sessenta não eram pequenas, não é mesmo? Mas com o passar do tempo compreendi que grandes histórias não precisam de velocidade e que o tempo é muito mais relativo do que qualquer um pensa.

Na adaptação cinematográfica de O Segredo de Brokeback Mountain, protagonizada por Jake Gyllenhaal no papel de Jack Twist e Heath Legder, no de Ennid del Mar, ganhamos mais perspectiva sobre a personalidade dos personagens. Ang Lee dirigiu o filme decidido a explorar mais o que aconteceu com Jack no passar dos anos, deixando na mesma proporção em que a vida de Ennis nos é mostrada no conto. Acho que esse foi um dos pontos mais fortes do filme, que desencadeou em outro tão bom quanto: a interpretação dos atores. os protagonistas conseguiram captar a essência dos cowboys tão bem que assusta (principalmente após ler a história de Proulx).

Os antagonistas ganham mais humanidade e importância, incluindo personagens nem citados no conto e que no filme tem poucas falas. Estas, no entanto, são necessárias. Se tem uma coisa que os típicos cowboys não são é ser tagarela. O roteiro se sustenta no essencial, em olhares, na trilha. O conjunto funciona muito bem. O público entende o que a sequência quer passar sem que os atores precisem dizer as exatas palavras da mensagem, sem que haja um pingo de exagero ou conversa fiada. Acho que foi um ótimo recurso para fazer com que a passagem de tempo – dos vinte anos do relacionamento – funcionasse bem, sem ficar cansativa ou ilógica.

Esse filme traz um tema polêmico de maneira incrível, bela e bem feita. Mostra a história de um amor tragicamente incompreendido pela sociedade da época, mas sentido ao extremo pelo casal principal. O Segredo de Brokeback Mountain é um filme sobre diversidade necessário na lista de qualquer amante do cinema e defensor da liberdade de escolha, seja ela qual for.

o-segredo-de-brokeback-mountainFicha Técnica:

Título: O Segredo de Brokeback Mountain | Diretor: Ang Lee | Elenco principal: Jake Gyllenhaal, Heath Ledger, Michelle Williams e Anne Hethaway  | Ano: 2006 | Classificação: 5 estrelas | Adicionar ao: FilmowLetterboxd

Siga o blog nas redes sociais:

Facebook ♦ Twitter ♦ Instagram ♦ Tumblr ♦ Skoob Goodreads ♦ Filmow

Anúncios

[Resenha] Eu Sou o Mensageiro, de Markus Zusak.

Capa

Nos quarenta e cinco do segundo tempo de 2015, comecei uma leitura que comprei pela capa. Eu Sou o Mensageiro é o terceiro livro que li do escritor australiano com descendência alemã Markus Zusak, que também escreveu o best-seller A Menina que Roubava Livros, e é de longe o meu favorito. Devorei-a em um dia e não sei bem como explicar o quanto foi prazerosa, mas tentarei. Continuar lendo “[Resenha] Eu Sou o Mensageiro, de Markus Zusak.”

[Resenha] Os Filhos de Anansi, de Neil Gaiman.

Lombada + Capa

Depois de muito ler, ver e ouvir a Raquel Moritz babando sobre Neil Gaiman, resolvi ler o tão querido autor. Neil Gaiman é um autor inglês que iniciou sua carreira no mundo da literatura através dos HQs e desenvolveu a famosa saga Sandman (que preciso ler algum dia). O primeiro livro que li dele foi Os Filhos de Anansi, escrito em 2005 e publicado por aqui pela editora Intrínseca. E adivinhem? Tem mais uma fã aqui para o fandom do Gaiman. Continuar lendo “[Resenha] Os Filhos de Anansi, de Neil Gaiman.”

[Resenha] Garota Exemplar: sobre o livro e o filme.

Capa

Eu preciso começar declarando que Garota Exemplar não foi uma leitura fácil para mim e, graças a isso, essa resenha pode assumir um tom contraditório. Vou explicar melhor durante o texto e aí veremos em que concordamos ou não, ok? Eu não me lembrava desde quando tenho o livro na estante em eterna espera na fila de próximas leituras. Abri e procurei o ano de edição: era a primeira edição brasileira dele. Isso quis dizer que ele provavelmente devia estar ali há mais de um ano. Eu tinha separado-o para a Maratona Literária de Inverno (que infelizmente não consegui completar), mas acabei lendo, ou melhor, devorando ele agora. Chega de blá-blá-blá, Isabella, e vamos ao que interessa, sim? Continuar lendo “[Resenha] Garota Exemplar: sobre o livro e o filme.”

[Resenha] Passarinho, de Crystal Chan

Capa

“Nunca julgue um livro pela capa”. Quantas vezes não dizemos e ouvimos esse famoso ditado popular ao longo da vida? Bom, eu julguei Passarinho pela sua capa. Culpada. Mas, ao fim da leitura, apenas confirmei o que eu já esperava quando o encontrei por acaso pela internet: ser um livro incrível. Afinal, é difícil não ser capturado pela primeira impressão que fica quando nos deparamos com sua capa: tão simples, mas ao mesmo tempo tão simbólica e marcante. Acabei levando, assim, o livro de estreia na carreira de Crystal Chan para casa, e lhes conto a seguir o que ganhei em troca. Continuar lendo “[Resenha] Passarinho, de Crystal Chan”